Geraldo Vilhena de Almeida Paiva nasceu em Inconfidentes-MG e acompanhando a família, já que seu pai era funcionário público federal, mudou-se para Viçosa, depois Juiz de Fora onde cursou o Grupo Escolar, e aos 10 anos de idade ingressou no Seminário da Diocese de Pouso Alegre onde concluiu o secundário no Liceu Salesiano de Campinas. Em São Paulo cursou o Instituto de Direito Social, seguindo para o Rio de Janeiro onde passou a residir já que havia sido aprovado em concurso público federal.
Após um período na cidade maravilhosa, Geraldo Vilhena foi transferido para Juiz de Fora onde ocuparia o cargo de confiança do governo Juscelino Kubitschek.
Com a Revolução de março de 1964, deixou sua família em Juiz de Fora e transferiu residência para São José dos Campos, e, em agosto do mesmo ano, trouxe sua família. Nesta cidade implantou o Departamento de Serviço Social da Bendix, e, por concurso foi nomeado Assistente Técnico do Serviço Social do Comércio do Estado de São Paulo, passando a desenvolver trabalhos sociais no SESC e acompanhando o trabalho nessa área junto a Prefeitura Municipal, através da implantação do Departamento de Assistência Social criado por Célia Marcondes, esposa do prefeito Marcondes Pereira, além da Casa da Criança, e a APAE.


Em 1966, foi um dos professores fundadores da Faculdade de Serviços Social de Taubaté e em 1969, com o apoio da Fundação Valeparaibana de Ensino e do prefeito Elmano Ferreira Veloso, criou a Faculdade de Serviço Social de São José dos Campos, agregada a Universidade do Vale do Paraiba.
Em 1968 ingressou no Rotary Club integrando o grupo responsável pela criação do Rotary Clube São José dos Campos-Oeste e foi o Representante do Governador do Distrito, para a criação do Rotary Clube SJC-Sul.
Em 1972, ainda no SESC, independente de suas inúmeras atribuições funcionais e profissionais, elaborou o anteprojeto solicitado pelo Prefeito Elmano Ferreira Veloso para a criação do Departamento Municipal do Bem-Estar-DEMBES, sendo nomeado seu primeiro Diretor, quando de sua criação. Ainda, no SESC, criou um grupo de teatro com os comerciários e a primeira peça foi apresentada no teatro do CTA-ITA e depois, participou em São Bernardo do Campo do concurso de grupos de teatro do Estado de São Paulo, obtendo o 2°. Lugar.

Com os estagiários da Faculdade de Serviço Social, entre estes, Hélio Augusto de Souza que fazia sob minha supervisão, o estágio no SESC, realizou-se um amplo Trabalho com a comunidade, resultando na criação de 21 Associações de Bairros, incluindo cursos de treinamento em lideranças e em trabalho em grupo, estendendo esse trabalho à Favelas, como a Favela do Banhado.
Com a saída do Prefeito Veloso e a nomeação, por intervenção governamental, do Prefeito Sérgio Sobral de Oliveira, um de seus primeiros atos foi fechar os Departamentos de Bem-Estar Social e o de Cultura (este, dirigido pelo Prof. Luiz Gonzaga e Roberto Wagner que posteriormente criaram o Jornal AGORA, para o qual fui um constante colaborador com meus artigos, voltados, normalmente, às questões sociais e às suas diferentes expressões, bem como, às políticas públicas e políticas sociais


Em pouco tempo, o Major Av. Vale, do CTA e Membro do IPM, sediado em Cumbica, me convocou (pensei que seria preso), mas, pelo contrário, pediu-me que lhe entregasse para ser levado ao Prefeito Sérgio Sobral de Oliveira, para atendimento à criança e ao adolescente; meu projeto. Prefeito Sobral criou na Secretaria da Educação os setores de projetos para as crianças e adolescentes e o setor de projetos para a cultura. A seguir, pôr sugestão do Prefeito Sobral, foi criado o Consórcio do Desenvolvimento Integrado do Vale do Paraíba, um extraordinário Projeto, pena que com o tempo, perdeu suas finalidades. Para a Direção desse Projeto (CODIVAP) foi convidado para Superintendente, o Eng°. Paulo Egydio Martins que montou a Diretoria Técnica, sendo eu, escolhido Diretor Técnico de Política Social. Realizamos no Vale, com os alunos da Faculdade de Serviço Social, durante o mês de julho de 1973, um Projeto denominado Mini-Rondon, onde as Prefeituras sediam acomodações e refeições e todo o apoio de infra estrutura e nós, convidamos vários professores da FVE e profissionais liberais, pré-escolhidos e identificados com o projeto e durante um mês, diariamente, os estagiários com uma liderança, conduzia a execução do projeto sócio educativo com atividades culturais, recreação, reuniões com grupos específicos, treinamentos para lideranças e para a implementação de projetos locais, inclusive na área artística e esportiva. Com minha eleição para Governador do Distrito 4600 do Rotary International para o ano 1974/1975, o saudoso Professor Major da Aeronáutica Hugo Benatti Júnior, substituiu-me em várias atividades, com brilhantismo e grande vocação.

Criamos o Centro de Orientação a Migrantes para atendimento a migrantes e população de rua, conhecido como CETREM. Implantamos, inclusive criando um nome novo, hoje, adotado pelo Brasil Instituto Materno-Infantil para atendimento à crianças e adolescentes e suas famílias, na Vila Tatetuba, no Jardim Oriente, no Parque Industrial, no Alto da Ponte e ao lado da Prefeitura, para atendimento aos filhos das servidoras, com ambulatório médico, odontológico e capacidade para 100 atendimentos dia. Outro trabalho que desenvolvemos foi a criação do Centro de Orientação ao Migrante na Estação Rodoviária, treinando os profissionais para a identificação dos migrantes e, no Monte Castelo, criamos, após construção em terreno cedido por convênio, pelo Lions, a Casa do Migrante (funcionando como albergue), com capacidade para atendimento-dia de 100 pessoas.
Criamos os Centros de Orientação Social em Eugênio de Melo, em São Francisco Xavier, na Favela do Vidoca, na Favela da Linha Velha, na Favela do Banhado e projetamos e executamos em 2 anos, projeto da desfavelamento do Vidoca, sem nunca ter tido a presença da polícia, pelo contrário, construímos uma casa (um barraco ampliado) como Centro de Orientação, ministrando cursos, atividades com crianças, trabalhos em grupo e elevação da expectativa de seus moradores para uma mudança para uma casa, reconhecendo que eles podiam, e assim, em 2 anos, as 205 famílias deixaram a Favela, fazendo festas e recebendo suas casas no Conjunto EMHA (Conjunto Elmano Veloso), com escolas e total assistência médica, de engenheiros e de assistentes sociais.
Em 1976, fizemos, a convite, o curso de especialização na ADESG, Associação dos Diplomados da Escola de Serviço de Guerra e em nossa dissertação para a conclusão do Curso, em que fui, Orador Oficial, apresentei o Projeto para a Implantação de uma Fundação Pública para o atendimento às crianças e aos adolescentes, uma expansão ao COSEMT. Com as novas eleições municipais, esse Projeto foi incluído como Justificativa para o encaminhamento à Câmara Municipal e posterior aprovação e sanção da Lei que criou a Fundhas, da qual fui seu Presidente, no período de 1988 a dezembro de 1992, tendo iniciado a construção da sede própria no Parque Industrial, inclusive, concluído o primeiro pavilhão.

Recebí o título de Cidadão Joseense em 1997, como recebo a condecoração do Sesquicentenário da Polícia Militar do Estado de São Paulo e vários outros títulos, principalmente, nos Estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Minas. Na UNIVAP, fui patrono e/ou paraninfo de 36 turmas e Professor de Honra de 4 turmas, das 46 turmas formadas em Serviço Social.
Tenho vários livros publicados, vários esgotados, nas áreas de administração pública e privada, formação de pessoal para o Serviço público, planejamento social, filosofia, metafísica e ética. Quando residiu em Petrópolis dedicou-se ao automobilismo e ao hipismo com saltos, tendo sido um dos corredores no circuito de Petrópolis, patrocinado pelo Automóvel Clube do Brasil.

Sua esposa foi responsável pela criação do programa de atendimento e transporte dos Portadores de Deficiências, resultando com a participação da Secretaria de Transporte da Prefeitura Municipal de São José dos Campos e, na Secretaria do Desenvolvimento Social, entre inúmeras atividades. Ffoi responsável, como advogada, para o estudo, deferimento ou indeferimento dos processos de isenção de impostos (IPTU).

 

Comentários Facebook

comments