Há cinquenta anos o casal Ernando Monteiro e Sebastiana Monteiro dava a luz, ao primogênito dos seis filhos, Ednardo Monteiro. A vida não era fácil e para ser melhorada, a saída era o estar e me orgulho em lembrar e contar que além dos meus pais, os que muito me ajudaram foram meus professores e mestres que tive ao longo da vida. Estudei no Olímpio Catão, Áurea Cantinho Rodrigues, Estevam Ferri, Etep e Univap.
Formei em Técnico em Eletrônica e graduei em Ciências Econômicas e hoje sou aluno do 5º ano de Direito, ambos pela Univap.


Minha infância foi rica em divertimento, mesmo começando a trabalhar aos 11 anos (antes podia). Nadei na Cambuí, desci no Tobogã do Parque Santos Dumont, sempre gostava de jogar contra o time do Cejuvem-Orátorio (era clássico Jardim Paulista x Vila Ema), fiz vários amigos e depois dos jogos passávamos para nadar no Sesc.
Sempre gostei de esportes: fiz caratê com o Mestre Christiano Rocha, Tae Ken Do com o Mestre José Carlos Silva, treino algumas vezes Jiu Jitsu na academia do Mestre Duda e hoje pratico remo em caiaque com o Professor Leandro ‘Lilica” Pereira.
Sempre sugiro aos amigos que façam algum esporte, leiam um bom livro e ouçam músicas, pois são os melhores antídotos contra o stress e depressão.
Na juventude gostava de frequentar os “points” da cidade, como o Sobrado, Amarelinho, Circus, Garden Music, o Carlitos, Joshefine, carnaval no Tênis Clube e no Santa Rita, sempre acompanhado dos meus irmãos e primos.


Também me orgulho de ter servido a cidade, quando em 2002 fui trabalhar na Prefeitura a convite do Prefeito Emanuel Fernandes, e lá idealizamos as “Olimpíadas do Servidor”, o Futebol Society, Festival de Artes e Música.
Um caso interessante, neste período, no ano de 2003 (ou 2004), no aniversário da cidade íamos contratar a cantora Rita Lee (achei o valor da contratação um absurdo) e sempre fui contra. Na quinta feira véspera do evento, recebemos um e-mail relatando que a artista teve um problema de saúde e não poderia cantar naquela data de 27 de julho. Mais tranqüilo? Nada, o pessoal do Eventos havia contratado a cantora Simone as pressas e com um valor de 20% a mais que a Rita Lee. Aí fiquei aborrecido mesmo. Com o valor, poderíamos fazer muitas coisas necessárias para cidade. Fui até o meu diretor e expliquei que a população mesmo curtindo o show, ia se aborrecer com o valor que seria gasto e seria um “prato cheio” para a oposição derrubar todo nosso trabalho administrativo que estávamos fazendo com a competência até ali.


O diretor concordou com as minhas colocações e levou toda esta explicação para os nossos superiores que também aceitaram os nossos argumentos. Para não passar sem shows no evento, contratamos quatro bandas (boas e com um custo bem baixo) da cidade e todos os munícipes aprovaram o evento. ¨O dinheiro não se pode gastar de qualquer forma, tem que ser administrado com responsabilidade¨, explica Ednardo Monteiro.
Também em 2004, quando bandidos assaltaram o banco da Prefeitura e duas pessoas foram baleadas, levadas a óbitos e o servidor José Lauro Friggi ter recebido um tiro de raspão na cabeça, resolvi fazer um culto, para agradecer a Deus e nos perdoar de todos os erros.
Liguei para os meus superiores e combinamos fazer um culto com os Servidores Municipais na rampa da Prefeitura.
Convidei o Pastor Odécio e o Pastor Tony da IECP, o Diácono Juca da região Norte e a cantora Shirley Carvalho (na época foi à vencedora do programa de talentos do Raul Gil) para fazermos o culto, que foi maravilhoso, tremendo e motivador, para voltarmos a trabalhar depois daquela tragédia.

Comentários Facebook

comments